All Tweets
Previous:
Next:

1.15 Qual é a estrutura do Antigo Testamento?

A Bíblia: verdadeira ou falsa?

O Antigo Testamento Católico consiste em 46 livros. Os cinco primeiros – Gênesis, Exôdo, Levítico, Números e Deuteronômio – são chamados de Pentateuco (palavra grega para “cinco rolos”).

O Pentateuco é seguido pelos livros históricos, que contam a história do povo de Israel e os livros proféticos nos quais os profetas advertem contra o pecado e anunciam a vinda do Messias (Jesus). Finalmente, há os livros sapienciais. Estes são coleções de respostas a perguntas gerais sobre a vida feita pelos fiéis. O que chamamos de Antigo Testamento, os Judeus chamam de Tanakh.

> Leia mais no livro

Os 46 livros do Antigo Testamento são separáveis em 4 partes: Pentateuco, Livros Históricos, Livros Proféticos e Livros Sapienciais.

A Sabedoria da Igreja

Que significado tem o Antigo Testamento para os Cristãos?

No Antigo Testamento Deus mostra-se como o Criador e o sustento do mundo, como guia e educador da humanidade. Também os livros do Antigo Testamento são Palavra de Deus e Sagrada Escritura. Sem o Antigo Testamento não é possível compreender Jesus.

No Antigo Testamento começa uma grande história didática sobre a fé, que no Novo Testamento sofre uma decisiva viragem e atinge a meta com o fim do mundo e o retorno de Cristo. Aqui o Antigo Testamento revela-se mais do que um simples prelúdio ao Novo. Os Mandamentos e as profecias do povo da antiga aliança, com as suas promessas para toda a humanidade, nunca foram revogados. Nos livros da antiga aliança encontra-se um insubstituível tesouro de orações e de sabedoria; em particular, os Salmos pertencem à oração cotidiana da Igreja. [Youcat 17]

Isto é o que dizem os Papas

“O Novo Testamento está oculto no Antigo e o Antigo manifesta-se no Novo”, como observou perceptivelmente Santo Agostinho. É importante, portanto, que em ambos os contextos pastorais e acadêmicos, a estreita relação entre os dois Testamentos seja claramente revelada, de acordo com o dito de São Gregório Magno que “o que prometia o Antigo Testamento, o Novo tornava visível; o que o primeiro anuncia de forma oculta, este último proclama abertamente como presente. Portanto, o Antigo Testamento é uma profecia do Novo Testamento; e o melhor comentário sobre o Antigo Testamento é o Novo Testamento. [Pope Bento XVI, Verbum Domini, nº 41]