All Tweets
prev
Previous:8.32 Existe uma maneira cristã de lidar com a depressão?
next
Next:M.2 Como posso ser cristão nas forças armadas? Um católico é um melhor soldado?

M.1 Não sou muito crente... como posso encontrar uma base para minha vida militar? Vale a pena acreditar?

Crença & militar

Toda a gente tem as suas próprias razões para ingressar nas forças armadas. Um dia podemos fazer perguntas sobre as razões fundamentais pelas quais travamos guerras. A fé em Deus pode ajudar-nos a encontrar respostas. Os cristãos têm uma base sólida para as suas vidas e para as suas ações (militares). A razão é que acreditamos que fazemos parte de algo maior que nós mesmos. Essa crença pode ajudar-nos bastante nas nossas escolhas pessoais como membros das forças armadas.

Apesar de sua aversão à violência, os cristãos não são pacifistas absolutos- o que precisa ser feito para defender as fracas necessidades a serem feitas - mas o objetivo final para os militares é que seja redundante um dia porque a paz reinará no mundo. Embora isso possa não parecer muito provável hoje, é uma ótima visão pela qual lutar. E se todos os habitantes da Terra lutassem sinceramente por isso, a paz global seria uma realidade!

Ninguém te julga por não acreditares. No entanto, podes encontrar uma grande paz interior quando souberes o quanto Deus te ama e deseja inspirar-te.
A Sabedoria da Igreja

Devem os cristãos ser pacifistas?

A Igreja luta pela paz, embora não defenda um pacifismo radical. Não se pode, de fato, negar a um indivíduo ou a um Estado o direito fundamental à legítima defesa armada. Normalmente, a guerra só é justificável como último recurso. A Igreja diz inequivocamente não à guerra. Os cristãos devem empreender todos os esforços para, até o fim, evitarem a guerra: Eles opõem-se à acumulação e ao comércio de armas, lutam contra a discriminação racial, étnica e religiosa, contribuindo para o fim da injustiça financeira e social, fortalecendo, assim, a paz [Youcat 398].

Devemos rezar pela paz?

O quinto mandamento proíbe a destruição voluntária da vida humana. Por causa dos males e injustiças que toda a guerra traz consigo, a Igreja exorta instantemente a todos para que orem e actuem para que a Bondade divina nos livre da antiga escravidão da guerra [CCC 2307].

Existem limites à nossa tarefa de evitar a guerra?

Cada cidadão e cada governante deve trabalhar no sentido de evitar as guerras. No entanto, enquanto «subsistir o perigo de guerra e não houver uma autoridade internacional competente, dotada dos convenientes meios, não se pode negar aos governos, uma vez esgotados todos os recursos de negociações pacíficas, o direito de legítima defesa» (Gaudium et Spes 79) [CCC 2308].

Isto é o que dizem os Papas

“A paz expressa-se apenas em paz, uma paz que não é separada das exigências da justiça, mas é promovida pelo sacrifício pessoal, clemência, misericórdia e amor” [Papa Paulo VI, 1 Jan. 1976]