All Tweets
Previous:
Next:
glas-in-lood raam met afbeelding van Theresia van Lisieux

1.37 Pode o sofrimento ajudar-nos a chegar mais perto de Deus?

O mal e o sofrimento

O sofrimento nunca é um castigo pessoal de Deus: na verdade, ele é muito próximo de todos que sofrem e sofrem. O sofrimento nunca fez parte do plano de Deus para o mundo, mas veio ao mundo como resultado do pecado original e da queda do homem. Para mudar essa situação, Jesus estava preparado para sacrificar sua própria vida na cruz por amor a todos os seres humanos. Ele foi humilhado e torturado por essas mesmas pessoas.

Através de seu terrível sofrimento, Jesus abriu um caminho para Deus no céu. Quando sofremos, podemos saber que estamos unidos com Jesus, que também sofreu. Ele até conquistou a morte! Ao conhecê-lo melhor e ficar perto dele, nós também podemos superar o sofrimento e a dor e entrar na presença de Deus no céu. Ao nos unirmos a Jesus, nosso sofrimento pode tornar-se significativo.

> Leia mais no livro

O sofrimento de Jesus, por amor a cada um de nós, salva-nos. O nosso sofrimento ganha significado se o oferecemos a Deus com Jesus.

A Sabedoria da Igreja

Que sentido tem a compaixão de Jesus pelos doentes?

A compaixão de Jesus pelos doentes e as numerosas curas de enfermos são um claro sinal de que, com ele, chegou o Reino de Deus e a vitória sobre o pecado, o sofrimento e a morte. Com a sua paixão e morte, ele dá um novo sentido ao sofrimento, o qual, se unido ao seu, pode ser meio de purificação e de salvação para nós e para os outros. [CCCC 314]

Por que revelou Jesus tanto interesse pelos doentes?

Jesus veio para revelar o amor de Deus. Frequentemente o fez onde nos sentimos especialmente ameaçados: na fragilidade da nossa vida, através da doença. Deus quer que nos tornemos saudáveis no corpo e na alma, reconhecendo nisso a vinda do Reino de Deus.

Por vezes, só com a experiência da doença percebemos que, saudáveis ou doentes, precisamos de Deus, mais do que tudo. Não temos vida, a não ser nele. Por isso é que os doentes e os pecadores têm um instinto especial para perceber o que é essencial. Já no Novo Testamento eram os doentes que procuravam a proximidade de Jesus; eles procuravam “tocá-lo, pois dele saía uma força que a todos curava” (Lc 6,19). [Youcat 241]

Isto é o que dizem os Papas

Os sofrimentos humanos, unidos ao sofrimento redentor de Cristo, constituem um apoio particular às forças do bem, abrindo caminho à vitória destas forças salvíficas. [Papa João Paulo II, Salvifici Doloris, nº 27]