All Tweets
Previous:
Next:

3.39 Como me posso confessar corretamente?

Os sacramentos

Você se prepara pedindo a ajuda de Deus para reconhecer o que está errado e pecaminoso em sua vida. Então você vai a um padre e pede sua bênção para confessar corretamente. Você faz uma confissão concisa, completa e clara dos pecados que cometeu. O padre então oferece conselhos e impõe uma penitência. Graças ao #TwGOD app, você sempre pode consultar a estrutura da confissão; você pode encontrar isso na seção contendo orações para os sacerdotes.

O sacerdote então lhe dará a absolvição (o perdão de Deus). Neste momento, Deus perdoa todos os pecados que você confessou com contrição. Isso significa que seus pecados simplesmente foram lavados e que você pode continuar sua vida como cristão.

> Leia mais no livro

Para te confessares bem, reza para conheceres os teus pecados e seres honesto com o sacerdote. Deus verdadeiramente perdoa-te através da absolvição do sacerdote.

A Sabedoria da Igreja

Quais os elementos essenciais do sacramento da Reconciliação?

São dois: os atos realizados pelo homem que se converte sob a ação do Espírito Santo e a absolvição do sacerdote, que em Nome de Cristo concede o perdão e estabelece a modalidade da satisfação. [CCIC 302]

O Confessor é obrigado ao segredo?

Dada a delicadeza e a grandeza deste ministério e o respeito devido às pessoas, todo o confessor está obrigado a manter o sigilo sacramental, isto é, o absoluto segredo acerca dos pecados conhecidos em confissão, sem nenhuma exceção e sob penas severíssimas. [CCIC 309]

Que nomes dar ao sacramento da Penitência?

O sacramento da Penitência também é designado por sacramento da Reconciliação, do Perdão, da Conversão ou da Confissão. [Youcat 225]

Se temes o Batismo que nos reconcilia com Deus, para que precisamos ainda de um sacramento específico para a reconciliação?

O Batismo retirou-nos do poder do pecado e da morte, colocou-nos na Vida nova dos filhos de Deus; todavia, ele não nos liberta da fraqueza humana nem da inclinação para o pecado, daí que precisamos de um espaço onde nos possamos reconciliar de novo com Deus e que é precisamente a confissão.

Não é moderno confessar-se; é difícil e exige sacrifício no início. Mas é uma das maiores graças podermos recomeçar a vida várias vezes, assumindo-a realmente sempre de um novo modo, totalmente sem pesos e sem as hipotecas do ontem, acolhidos com amor e guarnecidos de nova força. Deus é misericordioso e nada deseja com maior ardor do que nós aproveitarmos ao máximo a Sua misericórdia. Quem se confessou abriu, no livro de sua vida, uma página nova. [Youcat 226]

Quem instituiu o sacramento da Reconciliação?

Foi o próprio Jesus quem instituiu o sacramento da Reconciliação, quando Se mostrou aos Seus Apóstolos no dia da Páscoa, exortando-os: "Recebei o Espírito Santo. Àquele a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos” (Jo 20,22-23).

Em nenhuma parte Jesus falou de maneira tão bela do que acontece no sacramento da Reconciliação como na parábola do Pai misericordioso: nós desviamo-nos, perdemo-nos, não conseguimos mais. Porém, o nosso Pai espera por nós com grande e infinita saudade; ele perdoa-nos quando regressamos, acolhe-nos novamente, perdoa o pecado. O próprio Jesus perdoou os pecados a muitas pessoas; era-lhe mais importante que fazer milagres. Ele via aí o maior sinal de irrupção do Reino de Deus, em que todas as feridas são curadas e todas as lágrimas enxugadas. Jesus transmitiu aos Seus Apóstolos a força do Espírito Santo, na qual ele perdoava os pecados. Caímos nos braços do nosso Pai celeste, quando nos dirigimos a um Sacerdote e nos confessamos. [Youcat 227]

Quem pode perdoar os pecados?

Só Deus pode perdoar os pecados. “Os teus pecados estão perdoados!” (Mc 2,5), disse Jesus porque é o filho de Deus. E apenas porque Jesus lhes deu poder, os sacerdotes podem perdoar no lugar de Jesus

Alguns dizem: Entendo-me diretamente com Deus, e por isto não preciso de padres! No entanto, Deus quer fazê-lo de outra maneira. Ele conhece-nos. Naquilo que diz respeito ao pecado, costumamos fazer trapaça, varrendo o assunto para debaixo do tapete. Por isto Deus quer que expressemos os nossos pecados e os confessemos face a face. E para isto servem os sacerdotes: “Àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos” (Jo 20,23). [Youcat 228]

Que pecados temos mesmo que confessar?

Os pecados graves que foram   recordados num exame de consciência pormenorizado e que ainda não foram confessados só podem ser confessados, em circunstâncias normais, numa confissão individual.

Certamente existem embaraços quanto à Confissão. Superá-los já é o primeiro passo para se tornar internamente saudável. Frequentemente ajuda pensar que também o Papa tem de ter coragem para confessar os seus erros e fraquezas a outros sacerdotes e, deste modo, a Deus. Só em circunstâncias existenciais graves (como na guerra, num ataque aéreo ou quando um grupo de pessoas se encontra em risco de vida) pode um sacerdote dar a absolvição a um grupo de pessoas, sem que antes tenha feito uma confissão pessoal dos pecados (é a chamada "absolvição geral"). No entanto, depois, é preciso confessar pecados graves em uma confissão pessoal na primeira oportunidade. [Youcat 233]

Quando e com que frequência se devem confessar os pecados graves?

Os pecados graves devem ser confessados a partira da idade da razão. A Igreja recomenda vivamente fazê-lo uma vez a cada ano. Em todo o caso, devemos confessar-nos antes de receber a Sagrada Comunhão, se houvermos cometido algum pecado grave.

Por 'idade da razão' a Igreja entende a idade na qual se atinge o uso das faculdades racionais e o discernimento entre o bem e o mal. [Youcat 234]

Há pecados tão graves que nem sequer um presbítero pode absolver?

Há pecados em que o ser humano se afasta totalmente de Deus provocando a excomunhão devido à gravidade do ato. Na circunstância dos pecados que implicam Excomunhão, a absolvição só pode ser concedida pelo Bispo ou até, em certos casos, pelo Papa. Em caso de morte, qualquer sacerdote pode absolver de todos os pecados e da excomunhão.

Um católico que, por exemplo, comete um homicídio ou se envolve na prática do aborto exclui-se automaticamente da comunhão sacramental; a Igreja apenas atesta este estado. A Excomunhão tem a intenção de melhorar o pecador e reconduzi-lo ao caminho reto. [Youcat 237]

Pode um sacerdote divulgar algo que soube na Confissão?

Não, de maneira alguma. O segredo de Confissão é absoluto. Um sacerdote seria excomungado se revelasse a outras pessoas algo que tivesse ouvido na Confissão. Nem à polícia o sacerdote pode dizer ou insinuar algo.

Dificilmente um Sacerdote leva algo mais a sério que o segredo da confissão. Há sacerdotes que por isso foram torturados e mortos. Portanto, pode falar-se sem reserva e confiar com grande tranquilidade num sacerdote, cuja única missão neste momento é ser totalmente o “ouvido de Deus”. [Youcat 238]

Isto é o que dizem os Padres da Igreja

“Arrepende-te e eu te salvarei” (Ez 18,21); e novamente: "Eu vivo, diz o Senhor, e terei mais arrependimento do que morte" (Ez 33,11). O arrependimento então, é "vida", já que é preferível à morte. Aquele arrependimento, ó pecador, como eu... você se apressa tanto a abraçar, como um homem naufragado, a proteção de alguma tábua. Isso o atrairá quando afundado nas ondas dos pecados e o levará para a porta da clemência divina. [Tertuliano, Na Penitência, Cap. 4 (ML 1, 1233)]