All Tweets
Previous:
Next:
ziekenhuisbed

3.40 A Unção dos Enfermos é o mesmo que a Extrema Unção?

Os sacramentos

A unção dos doentes destina-se a qualquer pessoa gravemente doente, às pessoas em perigo de morte e às pessoas que tenham de passar por uma operação perigosa, por exemplo. Neste sacramento, Deus quer nos dar força, paz e coragem para suportar doenças e ferimentos, e às vezes também para sermos curados.

O sacerdote usa óleo abençoado para a unção dos enfermos. As pessoas às vezes chamam isso de "últimos ritos" ou "extrema unção". No entanto, a Eucaristia e não a unção dos enfermos é o último sacramento que uma pessoa recebe antes da morte, se ele é capaz de fazê-lo

> Leia mais no livro

Não esperes muito tempo para chamar um padre: A Unção dos Enfermos é para os doentes e moribundos. Ela dá força e cura, por vezes fisicamente.

A Sabedoria da Igreja

Como é vivida a doença no Antigo Testamento?

No Antigo Testamento, o homem doente experimenta os seus limites e ao mesmo tempo percebe que a doença está ligada misteriosamente ao pecado. Os profetas intuíram que a doença podia ter também um valor redentor em relação aos próprios pecados e aos dos outros. Assim, a doença era vivida perante Deus, da qual o homem implorava a cura. [Youcat 313]

Que sentido tem a compaixão de Jesus pelos doentes?

A compaixão de Jesus pelos doentes e as numerosas curas de enfermos são um claro sinal de que, com ele, chegou o Reino de Deus e a vitória sobre o pecado, o sofrimento e a morte. Com a sua paixão e morte, ele dá um novo sentido ao sofrimento, o qual, se unido ao seu, pode ser meio de purificação e de salvação para nós e para os outros. [CCIC 314].

Qual é o comportamento da Igreja em relação aos doentes?

A Igreja, tendo recebido do Senhor a ordem de curar os enfermos, procura pô-la em prática com os cuidados para com os doentes, acompanhados da oração de intercessão. Ela possui sobretudo um sacramento específico em favor dos enfermos, instituído pelo próprio Cristo e atestado por São Tiago: “Quem está doente, chame a si os presbíteros da Igreja e rezem por ele, depois de o ter ungido com óleo no nome do Senhor” (Tg 5,14-15). [CCIC 315]

Para quem foi pensado o sacramento da Unção dos Enfermos?

Qualquer crente pode receber o Sacramento da Unção dos Enfermos, desde que se encontre numa situação de doença crítica.

A Unção dos Enfermos pode ser recebida várias vezes na vida. Tem igualmente sentido que os jovens peçam este Sacramento quando se submetem a uma operação difícil. Nestas alturas, muitos cristãos doentes associam a unção a uma confissão (de vida); em caso de morte, eles querem encontrar Deus com uma consciência pura. [Youcat 243]

Como é celebrada a Unção dos Enfermos?

O Rito essencial na celebração da Unção dos Enfermos consiste numa unção da testa e das mãos com o Santo Óleo, acompanhada de orações. [Youcat 244]

Quem administra este sacramento?

Só pode ser administrado pelos sacerdotes (Bispos ou presbíteros). [CCIC 317]

Quais são os efeitos deste sacramento?

Ele confere uma graça especial que une mais intimamente o doente à Paixão de Cristo, para o seu bem e de toda a Igreja, dando-lhe conforto, paz, coragem, e também o perdão dos pecados, se o doente não se pode confessar. Este sacramento consente por vezes, se for a vontade de Deus, também a recuperação da saúde física. Em todo o caso, esta Unção prepara o doente para a passagem à Casa do Pai. [CCIC 319]

O que é o Viático?

É a Eucaristia recebida por aqueles que estão para deixar esta vida terrena e se preparam para a passagem à vida eterna. Recebida no momento da passagem deste mundo ao Pai, a Comunhão do Corpo e Sangue de Cristo morto e ressuscitado é semente de vida eterna e potência de ressurreição. [CCIC 320]

Por que se deve a Igreja interessar especialmente pelos doentes?

Jesus mostra-nos que o Céu sofre quando sofremos. Deus até quer ser reconhecido no “menor dos irmãos” (Mt 25,40). Por isso, Jesus determinou o cuidado pelos doentes como tarefa central dos Seus discípulos. Ele exortou “Curai os doentes!” (Mt 10,8) e prometeu-lhes poder divino : “Em Meu nome, expulsarão demônios … Imporão as mãos aos doentes e os doentes ficarão curados” (Mc 16,17 ss.).

Sempre foi uma característica decisiva do Cristianismo estarem no centro os idosos, os doentes e os portadores de deficiência. Madre Teresa, que acolheu os moribundos das valetas de Calcutá, é apenas uma na longa cadeia de cristãs e cristãos que efetivamente descobriram nos que foram excluídos e evitados. Se os cristãos fossem realmente cristãos, sairia deles uma força que cura. A alguns é mesmo dada a possibilidade de curar outras pessoas corporalmente, na força do Espírito Santo (Carisma da cura). [Youcat 242]

Isto é o que dizem os Padres da Igreja

(Tiago 5,14-15) Não há dúvida de que isso deve ser entendido pelos fiéis doentes que podem ser ungidos com o óleo sagrado do Crisma, preparado por um bispo. Não são apenas os padres, mas todos os cristãos que podem ser ungidos com este óleo quando é necessário para eles mesmos ou para suas famílias. [Santo Inocêncio I, Carta para Decêncio (TCT, 322-323)].