All Tweets
Previous:
Next:

4.21 Por que escolher o celibato se as pessoas são feitas para o casamento?

Sexualidade

Casamento e celibato são duas maneiras pelas quais um cristão pode seguir o mandamento de Deus para ser frutífero (Gn 1,28)Gn 1,28 Deus os abençoou: “Frutificai – disse ele – e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra”.. No casamento, um homem e uma mulher dedicam-se um ao outro em amor. No celibato, alguém se dedica apenas ao amor de Deus, sem ter relações sexuais.

Graças a esse compromisso, uma pessoa celibatária está pronta para fazer o que Deus requer dele, a qualquer hora e em qualquer lugar. Pais religiosos, irmãos e irmãs que se dedicam a Deus encontram a verdadeira felicidade em suas vidas. Você poderia considerar isso um antegozo do céu, onde ninguém mais será casado.

> Leia mais no livro

Jesus era solteiro. Escolher não se casar por causa dele é o caminho mais próximo para seguir o seu exemplo.

A Sabedoria da Igreja

Como é formado o povo de Deus?

Na Igreja, por instituição divina, existem os ministros sagrados que receberam o sacramento da Ordem e formam a hierarquia da Igreja. Os outros são chamados leigos. De uns e de outros, provêm fiéis, que se consagram de modo especial a Deus com a profissão dos conselhos evangélicos: castidade no celibato, pobreza e obediência. [CCIC 178]
 

O que é a vida consagrada?

É um estado de vida reconhecido pela Igreja. É uma resposta livre a um chamamento particular de Cristo, mediante a qual os consagrados se entregam totalmente a Deus e tendem para a perfeição da caridade sob a moção do Espírito Santo. Tal consagração caracteriza-se pela prática dos conselhos evangélicos. [CCIC 192]

O que é que a vida consagrada oferece à missão da Igreja?

A vida consagrada participa na missão da Igreja mediante uma plena dedicação a Cristo e aos irmãos, testemunhando a esperança do Reino celeste. [CCIC 193]
 

É requerido o celibato a quem recebe o sacramento da Ordem?

Para o episcopado é sempre requerido o celibato. Na Igreja latina, para o presbiterado, são normalmente escolhidos homens crentes que vivem celibatários e têm vontade de guardar o celibato “pelo reino dos céus” (Mt 19,12). Nas Igrejas Orientais, não é consentido casar depois da Ordenação. O diaconado permanente pode ser conferido a homens já casados. [CCIC 334]

Como é edificada a Igreja una, santa, Católica e apostólica?

Na Igreja, há leigos e clérigos (clero) que, como filhos de Deus, têm a mesma dignidade. Têm tarefas de igual valor, mas distintas. A missão do leigo é construir e reconstruir o mundo segundo o modelo do Reino de Deus. Para eles são ordenados ministros (clérigos) com o serviço do governo eclesial, do ensino doutrinal e da santificação sacramental. Em ambos os estados também há cristãos que, de modo especial, castidade, pobreza e obediência, se colocam à disposição de Deus (por exemplo, os membros das ordens e das congregações religiosas).

Cada cristão tem a missão de testemunhar o Evangelho com a própria vida. Mas Deus percorre, com cada pessoa, um caminho próprio. A uns envia como leigos, para construírem o Reino de Deus no meio do mundo, numa família e com uma profissão; para isso, concede-lhes, no Batismo e na Confirmação, todos os dons do Espírito Santo necessários. A outros encarrega com o ministério pastoral, para guiar, ensinar e santificar o Seu Povo; ninguém pode reclamar a si esta missão, pois é o próprio Senhor que os envia e dá, mediante o sacramento da Ordem, a Sua força divina para o caminho, para, no lugar de Cristo, atuar e celebrar os sacramentos. [Youcat 138]

Por que quer Jesus que haja pessoas que vivam para sempre a pobreza, em castidade celibatária e em obediência?

Deus é amor. Ele também deseja o nosso amor. Uma forma de entrega amorosa a Deus é viver como Jesus, ou seja, pobre, celibatário e obediente. Quem assim vive tem cabeça, coração e mãos livres para Deus e para a humanidade.

Surgem continuamente indivíduos que se deixam conquistar verdadeira e totalmente por Jesus, a ponto de, “por causa do Reino dos Céus” (Mt 19,12), entregarem tudo a Deus, mesmo coisas boas, como as suas riquezas, a autodeterminação e o amor conjugal. Esta existência, segundo os conselhos evangélicos em pobreza, castidade celibatária e obediência, mostra a todos que o mundo não é tudo. No fundo, só o encontro “face a face” com o esposo divino fará a humanidade feliz”. [Youcat 145]

Por que motivo a Igreja exige uma vida celibatária aos bispos e aos presbíteros?

Jesus viveu celibatariamente e quis exprimir assim o seu amor indiviso por Deus Pai. Assumir o estilo de vida de Jesus, vivendo uma castidade celibatária “por causa do Reino dos Céus” (Mt 19,22), tornou-se, desde o tempo de Jesus, um sinal de amor, de indivisa entrega ao Senhor e de total disponibilidade para o serviço. A Igreja Católica Romana exige esta forma de vida de seus bispos e presbíteros; as Igrejas católicas orientais, apenas dos seus bispos.

O celibato, diz o Papa Bento XVI, não pode significar “permanecer vazio no amor, mas deve significar deixar-se apaixonar por Deus”. Um sacerdote, vivendo o celibato, deve ser fecundo ao representar a paternidade de Deus e de Jesus. O Papa diz mais: “Cristo necessita de sacerdotes que sejam maduros e viris, capazes de exercer uma verdadeira paternidade espiritual”. [Youcat 258]

Isto é o que dizem os Padres da Igreja

Diga a meus irmãos em nome de Jesus Cristo que amem suas esposas como o Senhor ama a Igreja. Se alguém é capaz de perseverar na castidade para a honra da carne do Senhor, faça-o com toda a humildade ... Que tudo seja feito para a glória de Deus. [Santo Inácio de Antioquia, Carta a São Policarpo (MG 5, 724)]