All Tweets
prev
Previous:3.29 Por que razão jejuamos, por 40 dias, durante a Quaresma?
next
Next:3.31 Tenho mesmo que ir à igreja na Sexta-feira Santa?

3.30 O que é o Tríduo Pascal, que começa na Quinta-feira Santa?

Grandes festas da Igreja

Jesus foi torturado, morreu e ressuscitou dos mortos dentro de três dias (“Triduum” em latim). Este é o núcleo da fé cristã. Na Quinta-feira Santa, nos lembramos da Última Ceia, a última refeição de Jesus junto com seus amigos.

Neste dia Jesus instituiu a Eucaristia, junto com o sacerdócio. Na sexta-feira santa nos lembramos do sofrimento e da morte de Jesus. Durante a vigília pascal recordamos que Jesus ressuscitou dos mortos.

Jesus sofreu, morreu e ressuscitou em três dias (Tríduo). Na Quinta-feira Santa comemoramos a instituição da Eucaristia e do sacerdócio.
A Sabedoria da Igreja

O que aconteceu na Última Ceia?

Na véspera da Sua morte, Jesus lavou os pés aos Seus discípulos, instituiu a -> EUCARISTIA e fundou o sacerdócio da Nova Aliança.

Jesus revelou de três modos o Seu amor até ao fim: lavou os pés aos Seus discípulos, mostrando que está entre nós como aquele que serve (cf. Lc 22,27); antecipou simbolicamente o seu sofrimento salvífico, pronunciando sobre os dons do pão e do vinho as palavras “isto é o Meu corpo que será entregue por vós” (cf. Lc 22,19) e instituindo, assim,  a Sagrada Eucaristia. por fim, dizendo aos apóstolos “Fazei isto em memória de Mim!” (1Cor 11,24), fez deles sacerdotes da Nova Aliança. [Youcat 99]

Isto é o que dizem os Papas

“Fazei isto em memória de Mim” (Lc 22, 19)... Teriam os Apóstolos, que tomaram parte na Última Ceia, entendido o significado das palavras saídas dos lábios de Cristo? Talvez não. Aquelas palavras seriam esclarecidas plenamente só no fim do Triduum Sacrum, ou seja, aquele período de tempo que vai da tarde de Quinta-feira Santa até à manhã do Domingo…  E, ao fazê-lo na celebração eucarística, os olhos da alma voltam-se para o Tríduo Pascal: para o que se realizou na noite de Quinta-feira Santa, durante a Última Ceia, e nas horas sucessivas. [Papa João Paulo II, Ecclesia de Eucharistia, nº 2-3]