All Tweets
Previous:
Next:

4.10 Por que razão alguns cristãos são hipócritas e quebram as Leis de Deus?

Viver uma vida cristã

Antes de tudo, é importante perceber que ninguém é perfeito e livre do pecado, além de Jesus e Maria. Os cristãos também cometem pecados, e é importante que cada um de nós não apenas se orgulhe de nossas boas ações.

Pelo contrário, um bom cristão é alguém que está ciente de sua pecaminosidade e que continua tentando viver em entrega a Deus. Somente quando você perceber isso, você poderá entender o que significa que Jesus veio para nos salvar de nossos pecados.

> Leia mais no livro

Para além de Jesus e de Maria, ninguém está sem pecado. Mas podemos tentar o nosso melhor para viver uma vida virtuosa, com a ajuda da graça de Deus.

A Sabedoria da Igreja

Quais são os “cinco preceitos da Igreja”?

Participar na Eucaristia aos domingos e festas da Igreja; renunciar a trabalhos e outras atividades que firam a natureza do dia santo; confessar-se ao menos uma vez no ano; comungar pelo menos na Páscoa; guardar abstinência e jejuar (na Quarta-Feira de Cinzas e na Sexta-Feira Santa); prover as necessidades materiais da Igreja. [Youcat 345]

Para que servem os preceitos da Igreja e que obrigação implicam?

Os Cinco Preceitos da Igreja pretendem recordar, com as suas exigências mínimas, que não se pode ser cristão sem esforço moral, sem concreta participação na vida sacramental da igreja e sem solidariedade. Eles são vinculativos para todo cristão católico. [Youcat 346]

O que são as virtudes humanas?

As virtudes humanas são perfeições habituais e estáveis da inteligência e da vontade, que regulam os nossos atos, ordenam as nossas paixões e guiam a nossa conduta segundo a razão e a fé. Adquiridas e reforçadas por atos moralmente bons e repetidos, são purificadas e elevadas pela graça divina. [CCIC 378]

Quais são as virtudes humanas principais?

São as virtudes, chamadas cardeais, que reagrupam todas as outras e que constituem a charneira da vida virtuosa. São elas: prudência, justiça, fortaleza e temperança. [CCIC 379]

O que é a prudência?

A prudência dispõe a razão para discernir em todas as circunstâncias o nosso verdadeiro bem e a escolher os justos meios para o atingir. Ela conduz as outras virtudes, indicando-lhes a regra e a medida. [CCIC 380]

O que é a justiça?

A justiça consiste na constante e firme vontade de dar aos outros o que lhes é devido. A justiça para com Deus é chamada “virtude da religião”. [CCIC 381]

O que é a fortaleza?

A fortaleza assegura a firmeza nas dificuldades e a constância na procura do bem, chegando até à capacidade do eventual sacrifício da própria vida por uma causa justa.  [CCIC 382]

O que é a temperança?

A temperança modera a atração dos prazeres, assegura o domínio da vontade sobre os instintos e proporciona o equilíbrio no uso dos bens criados. [CCIC 383]

Por que temos de trabalhar na construção da nossa personalidade?

Temos de trabalhar em nós para podermos realizar o bem livre, alegre e agilmente. Contribui para isso a fé firme em Deus e a nossa vivência das virtudes. Isto significa que devemos, com a ajuda de Deus, criar em nós atitudes seguras, que não nos devemos entregar a paixões desordenadas e que devemos dirigir as forças da razão e da vontade para o bem, sempre e sem equívocos.

As virtudes mais importantes são a prudência, a justiça, a fortaleza e a temperança. São também designadas “virtudes cardeais” (lat. cardo = gonzo, eixo; cardinalis = importante). [Youcat 300]

Quais são as três virtudes teologais?

As virtudes teologais são a fé, a esperança e a caridade. Chamam-se "teologais" porque têm o seu fundamento em Deus, referem-se imediatamente a Deus e são para nós o caminho pelo qual atingimos Deus diretamente. [Youcat 305]

Isto é o que dizem os Padres da Igreja

Se [alguém], sendo já regenerado e justificado, recai de sua própria vontade em uma vida má, seguramente ele não pode dizer: 'Eu não recebi', por causa de sua livre escolha ao mal, ele perdeu a graça de Deus, que ele tinha recebido. [Santo Agostinho, Sobre a graça e o livre arbítrio, Cap. 6:9 (ML 44, 921)]