All Tweets
Previous:
Next:
huilende vrouw

4.30 E se uma mulher foi violada, não quer ter o filho, ou está doente?

A vida humana

Essas são situações muito difíceis, que não podem ser descritas em poucas linhas. O estupro é um crime terrível, e é compreensível que uma mulher que conceba como resultado de estupro considerasse um aborto. No entanto, é justo fazer uma criança inocente pagar pelo crime brutal do violador? Mãe e filho têm o mesmo direito à vida e ao cuidado, também em outros casos de gravidez indesejada.

Se a mãe está gravemente doente, um procedimento médico para salvá-la pode, por vezes, acabar com a vida de seu filho. É muito difícil fazer a coisa certa em tais casos, uma vez que envolve a escolha entre dois males. Esta situação é muito diferente do aborto, porque o tratamento médico da mãe não tem a intenção de matar a criança, embora a cirurgia produza esse resultado. Nós realmente precisamos da ajuda de Deus para fazer escolhas tão difíceis!

> Leia mais no livro

A violação é um crime terrível. Às vezes, a gravidez pode vir num mau momento. Mas a criança não nascida tem o direito a viver, assim como tem a mãe!

A Sabedoria da Igreja

Quando é que o ato é moralmente bom?

O ato é moralmente bom quando supõe, ao mesmo tempo, a bondade do objeto, do fim em vista e das circunstâncias. O objeto escolhido pode, por si só, viciar toda a acção, mesmo se a sua intenção for boa. Não é lícito fazer o mal para que dele derive um bem. Um fim mau pode corromper a ação, mesmo que, em si, o seu objeto seja bom. Pelo contrário, um fim bom não torna bom um comportamento que for mau pelo seu objeto, uma vez que o fim não justifica os meios. As circunstâncias podem atenuar ou aumentar a responsabilidade de quem age, mas não podem modificar a qualidade moral dos próprios atos, não tornam nunca boa uma ação que, em si, é má. [CCIC 368]

Há atos que são sempre ilícitos?

Há atos, cuja escolha é sempre ilícita, por causa do seu objeto (por exemplo, a blasfêmia, o homicídio, o adultério). A sua escolha comporta uma desordem da vontade, isto é, um mal moral, que não pode ser justificado com os bens que eventualmente daí pudessem derivar. [CCIC 369]

Pode uma pessoa fazer um mal para que daí surja um bem?

Não. Não se pode fazer ou aceitar algo mau para que daí surja algo bom. Muitas vezes, porém, temos de aceitar um mal menor, para impedir um maior.

Os fins não justificam os meios. Não é correto praticar adultério para estabilizar o casamento. Também é incorreto utilizar embriões para investigação em células estaminais, mesmo que daí advenham resultados decisivos para a medicina. É errado ajudar a vítima de uma violação com o aborto do filho. [Youcat 292]

Isto é o que dizem os Papas

Um pensamento especial quereria reservá-lo para vós, mulheres, que recorrestes ao aborto. A Igreja está a par dos numerosos condicionalismos que poderiam ter influído sobre a vossa decisão, e não duvida que, em muitos casos, se tratou de uma decisão difícil, talvez dramática. Provavelmente a ferida no vosso espírito ainda não está sarada. Na realidade, aquilo que aconteceu, foi e permanece profundamente injusto. Mas não vos deixeis cair no desânimo, nem percais a esperança. Sabei, antes, compreender o que se verificou e interpretai-o em toda a sua verdade. Se não o fizestes ainda, abri-vos com humildade e confiança ao arrependimento: o Pai de toda a misericórdia espera-vos para vos oferecer o seu perdão e a sua paz no sacramento da Reconciliação. A este mesmo Pai e à sua misericórdia, podeis com esperança confiar o vosso menino. [Papa João Paulo II, Evangelium Vitae, 99]