All Tweets
Previous:
Next:

4.26 Quando começa a vida humana?

A vida humana

A relação sexual pode levar à fertilização de um óvulo. Quando isso acontece, o óvulo da mulher se funde com uma célula espermática do homem. Isso é chamado de fertilização ou concepção.

No momento da concepção, um novo organismo humano vivo passa a existir. É impossível apontar para outro momento que marque o início da vida. Esta mesma vida cresce gradualmente e se desenvolve no útero da mãe até que o bebê nasça depois de nove meses.

> Leia mais no livro

A vida humana começa quando o óvulo de uma mulher e a célula de esperma de um homem se fundem e se tornam num novo e único ser humano.

A Sabedoria da Igreja

Por que é que a sociedade deve proteger o embrião?

O direito inalienável à vida de cada ser humano, desde a sua concepção, é um elemento constitutivo da sociedade civil e da sua legislação. Quando o Estado não coloca a sua força ao serviço dos direitos de todos e em particular dos mais fracos, e entre eles dos concebidos ainda não nascidos, passam a ser minados os próprios fundamentos do Estado de direito. [CCIC 472]

Podem realizar-se investigações em embriões vivos e em células estaminais embrionárias?

Não. Os embriões são seres humanos, porque a vida humana começa com a fusão de um espermatozóide com um óvulo.

Considerar os embriões um material biológico, "produzi-los" e "utilizar" as suas células estaminais na investigação é absolutamente imoral e rejeitado pela proibição de matar. Algo diferente são as investigações em células estaminais adultas, que não têm a capacidade de se transformarem em pessoas. As intervenções médicas realizadas num embrião só se justificam se a sua intenção for a cura, se a vida e o desenvolvimento incólume da criança estiverem garantidos e se o risco da intervenção não for altamente desproporcionado. [Youcat 385]

Isto é o que dizem os Papas

A partir do momento em que o óvulo é fecundado, inaugura-se uma nova vida que não é a do pai nem a da mãe, mas sim a de um novo ser humano que se desenvolve por conta própria. Nunca mais se tornaria humana, se não o fosse já desde então. A esta evidência de sempre (...) a ciência genética moderna fornece preciosas confirmações. Demonstrou que, desde o primeiro instante, se encontra fixado o programa daquilo que será este ser vivo: uma pessoa, esta pessoa individual, com as suas notas características já bem determinadas. Desde a fecundação, tem início a aventura de uma vida humana, cujas grandes capacidades, já presentes cada uma delas, apenas exigem tempo para se organizar e encontrar prontas a agir. [Papa João Paulo II, Evangelium Vitae, 60]