All Tweets
Previous:
Next:
adam en eva

1.2 Mas, a sério, a história de Adão e Eva aconteceu mesmo?

Criação ou coincidência?

A história da criação de Adão e Eva não é um relatório exato. No entanto, nos diz muito sobre a relação que os seres humanos têm com Deus e uns com os outros. A criação de Deus é bem pensada: fomos criados de acordo com um plano. Ele, por assim dizer, deixou suas impressões digitais em nós, e por causa disso somos semelhantes a ele (Gn 1,26)Gn 1,26 Então Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. Que ele reine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos e sobre toda a terra, e sobre todos os répteis que se arrastam sobre a terra”..

Portanto, temos um lugar único na criação, que está associado à missão de cuidar de toda a criação. Deus nos criou porque nos ama. Porque somos feitos à sua imagem e depois a sua semelhança, cada um de nós tem um desejo oculto por Deus no âmago do nosso ser. Isso nos permite amar a Deus e aos nossos semelhantes.

> Leia mais no livro

Houve um primeiro homem e uma primeira mulher. A história de Adão e Eva não é uma explicação científica das origens da humanidade, mas fala-nos sobre a nossa condição humana.

A Sabedoria da Igreja

O ser humano tem um lugar especial na Criação?

Sim, o ser humano é topo da Criação, porque Deus o criou à sua imagem (Gn 1,27).

A criação do ser humano é nitidamente distinta da criação dos outros seres vivos. O ser humano é pessoa, isto é, ele pode, pela vontade e pela inteligência, decidir-se pelo amor ou contra ele. [Youcat 56]

O que prescreve o sétimo mandamento?

O sétimo mandamento prescreve o respeito dos bens alheios, mediante a prática da justiça e da caridade, da temperança e da solidariedade. Em particular, exige o respeito das promessas e dos contratos estipulados; a reparação da injustiça cometida e a restituição do mal feito; o respeito pela integridade da criação mediante o uso prudente e moderado dos recursos minerais, vegetais e animais que há no universo, com especial atenção para com as espécies ameaçadas de extinção. [CCIC 506]

Como devemos lidar com a criação?

Nós cumprimos a missão de Deus na Criação quando cuidamos e eficazmente guardamos a terra como um espaço vital, com as suas leis biológicas, a sua diversidade, a sua beleza natural e as suas crescentes riquezas. Desta forma, também as gerações futuras poderão viver bem sobre a terra.


No livro do Gênesis, Deus diz ao homem e à mulher: "Crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem na terra" (Gn 1,28). "Dominai a terra" não constitui um direito absoluto de dispor arbitrariamente dos animais e das plantas, da natureza viva e da não viva. Ser criado à imagem de Deus significa que o ser humano cuida da Criação como um pastor e agricultor. Também se diz: "O Senhor Deus tomou o ser humano e colocou-o no jardim do Éden, para o cultivar e guardar” (Gn 2,15). [Youcat 436]

Como devemos lidar com os animais?

Os animais, tal como nós, são criaturas que devemos amar e com os quais nos devemos alegrar, tal como Deus se alegra com a sua existência.

Criaturas de Deus, os animais também sentem. É um pecado maltratá-los, fazê-los sofrer, matá-los sem necessidade. Não obstante, o ser humano não pode colocar o amor aos animais acima do amor às pessoas. [Youcat 437]

Porque é importante afirmar: “No princípio criou Deus o céu e a terra” (Gn 1,1)?

Porque a Criação é o fundamento de todos os projetos divinos de salvação; manifesta o amor onipotente e sapiente de Deus; é o primeiro passo para a Aliança do Deus único com o seu povo; é o início da história da salvação que culmina em Cristo; é uma primeira resposta às questões fundamentais do homem acerca da sua própria origem e do seu fim. [CCIC 51]

A ciência natural torna o Criador desnecessário?

Não. A frase "Deus criou o mundo" não é um axioma rebuscado na ciência natural. Trata-se de uma afirmação teológica (theos = Deus, logos = sentido). Isto é, uma asserção de carácter divino acerca do sentido e da origem das coisas.

A narrativa da Criação não é um modelo explicativo científico-natural do início do mundo. "Deus criou o mundo" é uma declaração teológica na qual se refere a relação do mundo com Deus. Deus quis o mundo; Ele acompanha-o e aperfeiçoa-o. Ser criado é uma qualidade inerente às coisas e uma verdade elementar sobre elas. [Youcat 41]

Quem criou o mundo?

Deus é que, para lá do tempo e do espaço, tirou o mundo do nada e chamou todas as coisas à existência. Tudo quanto existe depende de Deus e tem, assim, durabilidade no ser porque Deus quer que assim seja.

A criação do mundo é, de certa forma, uma "obra comum" da Santíssima Trindade. O Pai é o Criador, o onipotente. O Filho é o sentido e o coração do mundo: “Por Ele e para Ele tudo foi criado” (Cl 1,16). Só sabemos para que serve o mundo quando conhecemos Cristo; com ele compreendemos que o mundo tende para um fim: a Verdade, a Bondade e a Beleza do Senhor. O Espírito Santo mantém tudo na existência; Ele é que “dá vida” (Jo 6,63). [Youcat 44]

Porque descreve o Livro do Gênesis a criação como uma “obra de seis dias”?

Na metáfora da "semana de trabalho", coroada por um dia de descanso (Gn 1,1-2,3) exprime-se quão boa, bela e sabiamente ordenada é a Criação.

Do simbolismo da "semana de trabalho" podem deduzir-se relevantes postulados: (1) Nada há que não tivesse sido chamado à existência pelo Criador. (2) Tudo quanto existe é, à sua maneira, bom. (3) Mesmo aquilo que se tornou mau tem uma essência boa. (4) Os seres e as coisas criadas estão mutuamente relacionados e orientados. (5) A Criação reflete, na sua ordem e harmonia, a extraordinária bondade e beleza de Deus. (6) Na Criação existe uma hierarquia: o ser humano está sobre os animais, os animais sobre as plantas, as plantas sobre a matéria não vivificada. (7) A Criação caminha para o grande festim em que Cristo recolherá o mundo em sua casa, tornando-Se Deus “tudo em todos” (1Co 15,28).  [Youcat 46]

Porque descansou Deus no sétimo dia?

O repouso de Deus, depois do trabalho, aponta para o aperfeiçoamento da Criação, que se encontra além de todo o esforço humano.

Se é verdade que o ser humano trabalhador é o jovem parceiro do seu Criador (Gn 2,15), ele não pode, contudo, redimir a terra com a sua labuta. A meta da Criação é “os novos céus e a nova terra” (Is 65,17), realizada pela redenção que nos é concedida. Por isso, o descanso dominical, um antegozo do descanso celeste, encontra-se acima do trabalho, o qual nos prepara para ele. [Youcat 47]

Para que criou Deus o mundo?

“O mundo foi criado para a glória de Deus”

(Concílio Vaticano I, Dei Filius).

Não há outro motivo para a Criação que não seja o amor. Nela se manifesta a majestade e a glória de Deus. louvar a Deus não significa, porém, aplaudir o Criador. O ser humano não é um espectador da obra da Criação. Para ele, "louvar" Deus significa estar agradecido, juntamente com toda a Criação, pela própria existência. [Youcat 48]

Isto é o que dizem os Padres da Igreja

Se compreendermos fiel e sabiamente o início de nossa criação, descobriremos que o homem foi feito à imagem de Deus, para que ele possa imitar seu Criador e que nossa raça atinja sua mais alta dignidade natural, pela forma da bondade Divina sendo refletida em nós, como em um espelho. E seguramente a esta forma a graça do Salvador é diariamente restaurada, desde que a que na primeira Adão caiu, seja levantada na segunda. [São Leão, o Grande, Sermões, nº 12:1 (ML 54, 168)]

Isto é o que dizem os Papas

A linguagem simbólica da Bíblia diz-nos que antes de os afastar do jardim do Éden, Deus fez vestes de pele para o homem e para a mulher, e cobriu-os (cf. Gn 3,21). Este gesto de ternura significa que até nas dolorosas consequências do nosso pecado Deus não quer que permaneçamos nus e abandonados ao nosso destino de pecadores. [Pope Francis, Audiência Geral, 16 Set. 2015]