All Tweets
Previous:
Next:

3.46 Porquê toda esta ênfase no pecado, em vez na esperança?

A Eucaristia

Algumas pessoas acham que a Igreja coloca muita ênfase no que todo mundo está fazendo de errado, e não naquilo que as pessoas estão fazendo certo. Mas suas críticas são justificadas? Jesus veio para nos trazer vida em abundância (Jo 10,10)Jo 10,10 O ladrão não vem senão para furtar, matar e destruir. Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância.. No entanto, todos nós sabemos por nossa própria experiência que cometemos erros e pecados.

Felizmente, Jesus não permanece fixado em nossos pecados, e ele deseja de todo o coração perdoar-nos. Para nos prepararmos para o encontro especial com Jesus na Eucaristia, pedimos-lhe o perdão de que necessitamos repetidas vezes. Ele tornou possível esse perdão para cada um de nós através de sua morte e ressurreição. Por favor, consulte o #TwGOD app para a liturgia do Sacramento da Reconciliação e os textos padrão da Missa em vários idiomas.

> Leia mais no livro

O nosso pecado é uma realidade, e assim é o perdão de Deus, no qual esperamos. Sem perdão não podemos avançar na nossa fé.

A Sabedoria da Igreja

O que significa a Eucaristia na vida da Igreja?

É fonte e cume da vida cristã. Na Eucaristia, atingem o auge a ação santificadora de Deus em nosso favor e o nosso culto para com ele. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja: o próprio Cristo, nossa Páscoa. A comunhão da vida divina e a unidade do Povo de Deus são significadas e realizadas na Eucaristia. Pela celebração eucarística unimo-nos desde já à liturgia do Céu e antecipamos a vida eterna. [CCIC 274]

O que é a Sagrada Eucaristia?

A Sagrada Eucaristia é o sacramento em que Jesus Cristo entrega o Seu corpo e o Seu sangue - ele próprio - por nós, para que também nos entreguemos a Ele em amor e nos unamos a ele na Sagrada Comunhão. Assim, nos ligamos ao corpo único de Cristo, a Igreja.

 

A Eucaristia é, depois do Batismo e da Confirmação, o terceiro sacramento da iniciação cristã da Igreja Católica. A Eucaristia é o misterioso centro de todos estes sacramentos, pois a imolação histórica de Jesus na cruz torna-se presente, de uma forma oculta e incruenta, durante a consagração do pão e do vinho. A Eucaristia é, portanto, "fonte e centro de toda a vida cristã" (Concílio Vaticano II, Lumen gentiun, n° 11). Tudo aponta para ela: aliás, não há nada maior que se possa alcançar. Quando comemos o pão partido unimo-nos ao amor de Jesus que no madeiro da cruz nos ofereceu o Seu corpo; quando bebemos do cálice, unimo-nos àquele que até derramou Seu sangue durante a Sua oferta por nós. Não inventamos este rito; foi o próprio Jesus que celebrou com os Seus discípulos a Última Ceia e antecipou a Sua morte; Ele ofereceu-se aos Seus discípulos sob os sinais do pão e do vinho e exortou-os a celebrarem a Eucaristia a partir de Sua morte: "Fazei isto em memória de Mim!" (1 Co 11,24). [Youcat 208]

Como posso me preparar para receber a Sagrada Eucaristia?

Quem deseja receber a Sagrada Eucaristia tem de ser católico. Se estiver consciente de algum pecado grave, deve previamente confessar-se. Antes de se aproximar do altar, deve reconciliar-se com o próximo.

Até há poucos anos era habitual não comer nada pelo menos três horas antes da celebração eucarística; assim se preparava para o encontro com Cristo na Comunhão. Hoje, a Igreja recomenda pelo menos uma hora de jejum. Outro sinal de reverência é um vestuário seleto e belo, pois temos um rendez-vous (hora marcada) com o Senhor do Universo. [Youcat 220]

Isto é o que dizem os Papas

É na esperança que fomos salvos: diz São Paulo aos Romanos e a nós também (Rm 8,24). A “ redenção”, a salvação, segundo a fé cristã, não é um simples dado de fato. A redenção é-nos oferecida no sentido que nos foi dada a esperança, uma esperança fidedigna, graças à qual podemos enfrentar o nosso tempo presente: o presente, ainda que custoso, pode ser vivido e aceite, se levar a uma meta e se pudermos estar seguros desta meta, se esta meta for tão grande que justifique a canseira do caminho. [Papa Bento XVI, Spe Salvi, nº 1]